Pesquisar
Close this search box.

Como saber se você está sendo discriminado no ambiente de trabalho

como saber se você está sendo discriminado no ambiente de trabalho

Menu do Artigo

Tempo de Leitura: 5 Minutos

A discriminação no trabalho ainda é um problema presente no universo corporativo. 

Nem todos os gestores e líderes têm uma preocupação com a temática e o clima organizacional acaba sendo afetado pelo preconceito e pela discriminação.

Discriminar é a ação de separar, diferenciar alguém de forma desfavorável. É uma atitude fundamentada em preconceitos e estereótipos e falta de consciência sobre as diversas realidades humanas.

Pode tomar a forma de discriminação racial, por idade, de gênero, religiosa, de orientação sexual, entre outras.

Vítimas de discriminação têm grandes chances de desenvolver transtornos mentais e de perder seu potencial de produtividade

As organizações que permitem a proliferação da discriminação no local de trabalho encontrarão como resultado um clima organizacional tóxico e o risco de perderem talentos, além das sanções correspondentes ao crime. 

Considerando a importância dessa matéria para as organizações e também para possíveis vítimas, neste artigo demonstraremos alguns sinais passíveis de indicar a existência de discriminação no local de trabalho.

Ao final, medidas serão relacionadas, caso você esteja sofrendo discriminação no ambiente de trabalho.

Práticas discriminatórias dentro das empresas

A discriminação tem várias expressões. A segregação, a alienação e a violação de direitos podem se dar de maneiras sutis. Por isso, parte daí a necessidade de se entender como ocorre a discriminação.

Vamos começar indicando quais práticas podem ser efetivamente discriminatórias no ambiente de trabalho:

  1. Uso de linguagem discriminatória: uso de linguagem pejorativa e degradante para se referir a diferentes tipos e grupos de pessoas, partindo principalmente de gestores, supervisores e líderes. Isso pode significar uma tolerância inadequada à discriminação no local de trabalho.
  2. Assédio moral: piadas ofensivas, comentários desagradáveis, tratamento diferenciado (negativamente) e hostilidade. Quando repetidos, caracterizam-se como assédio moral e podem ter cunho preconceituoso ou discriminatório — principalmente quando a vítima é a única pessoa com característica-alvo de discriminação. Assim, enquadram-se aqui os casos de bullying.
  3. Pagamento desigual: se você ocupa o mesmo cargo ou tem função de igual valor a de pessoa mas recebe pagamento inferior, você pode estar sendo vítima de discriminação no ambiente de trabalho.
  4. Disciplina seletiva: problema associado ao assédio moral. Se você percebe que as cobranças, reprimendas e solicitações se dão de maneira excessiva para você, em comparação com a disciplina imposta aos colegas, você também pode estar sendo vítima de discriminação.
  5. Falta de acessibilidade: A Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência é de 2015, que garante os direitos de acessibilidade para pessoas com deficiência. Há muito as organizações já deveriam ter tomado providências para garanti-los. Se ela não considera a presença de pessoas com deficiência e, portanto, não adapta o ambiente para acolhê-las, essa também é uma forma de discriminar.

O que não deve ser considerado discriminação

Definir se algo é ou não discriminação pode ser desafiador, pois a prática se dá frequentemente de maneira velada. Algumas atitudes, entretanto, não devem ser tomadas como discriminação, porque fazem parte das exigências internas ao ambiente organizacional, como por exemplo:

  1. Cobranças, solicitações e exigências cotidianas: o trabalho numa empresa envolve objetivos e prazos. É papel do líder e do gestor cobrar de forma respeitosa que as tarefas sejam entregues, solicitar melhorias e, quando necessário, pedir um esforço a mais numa atividade (seja por meio de hora-extra, retrabalho, etc.). Essas atitudes só se tornam sinais de alerta quando ocorrem repetidamente ou quando têm apenas um alvo específico, manifestando o ímpeto de diferenciação e alienação do agressor em relação à vítima.
  2. Uso de linguagem inadequada por ignorância: nem todos tiveram a educação e a conscientização necessárias para entender as questões de discriminação. Uma pessoa que, pontualmente, utiliza um termo já ultrapassado ou possui um vício de linguagem não-ideal, sem que haja conotação pejorativa ou degradante, deve ser orientada pelos líderes ou colegas quanto à questão. Isso deve ser considerado principalmente quando a organização não toma medidas de educação e conscientização, deixando soltas as regras quanto ao tratamento ético entre colaboradores.

Estou sofrendo discriminação no trabalho: o que fazer?

Se você chegou à conclusão de que está sofrendo discriminação no local de trabalho, é preciso agir o quanto antes.

  • Chame a atenção do agressor: demonstre que você percebeu a atitude discriminatória do agressor, chame sua atenção e, se puder, por e-mail, a fim de manter documentada a sua queixa. Há a possibilidade da discriminação parar de ocorrer. Em casos como bullying e discriminação em geral, o agressor escolhe vítimas que não costumam se defender.
  • Procure o RH ou uma liderança confiável: caso você não esteja confortável em confrontar o seu agressor, procure alguém que possa tomar providências em relação à questão. Nunca deixe de solicitar ajuda.
  • Utilize o Canal de Denúncias da sua empresa: desde 2022, todas as empresas com CIPA devem ter disponível um Canal de Denúncias para relatos de irregularidades e más condutas (isso está na Lei 14.457/22). Relate a ocorrência de discriminação e, de preferência, utilize documentos, testemunhas e detalhes que ajudem na investigação. O Canal de Denúncias é uma ferramenta muito eficiente no combate a todo tipo de assédio, má conduta e discriminação. A pessoa que relata pode escolher o anonimato e sua segurança fica garantida, evitando o risco de retaliação pela denúncia.


Conclusão

Reconhecer que se está sofrendo discriminação no ambiente de trabalho pode ser objetivamente difícil e emocionalmente desgastante.

A discriminação gera impactos negativos na saúde física e mental da vítima, torna o clima organizacional desagradável e gera efeitos nocivos para as empresas.

Então, alguns sinais são próprios da prática de discriminação, como: uso insistente de linguagem inadequada, pagamento desigual, assédio, disciplina seletiva e falta de acessibilidade. 

Outras situações, por outro lado, não devem ser consideradas discriminatórias, quando ocorrem esporadicamente, sem tom depreciativo e pejorativo. Além das atitudes inerentes às responsabilidades da chefia, como cobrança respeitosa de prazos, metas e qualidade. 

A pessoa vítima de discriminação deve procurar chamar a atenção do agressor, pedir auxílio à liderança e aos Recursos Humanos e/ou utilizar o Canal de Denúncias da empresa, para que atitudes sejam tomadas e a impunidade evitada, por exemplo.

Por fim, tomar atitudes contra a discriminação é trabalhar para uma sociedade mais igualitária e defender os direitos humanos.

4.8/5 - 655 votos

Solicite um orçamento gratuito em apenas 3 passos:

Saiba como contratar em apenas 3 passos: